Catarata Congênita

DRA. LUISA MOREIRA HOPKER
  • CATARATA CONGÊNITA

    Mundialmente, a catarata congênita tem uma incidência de 0,4% ou 1 caso para cada 250 nascimentos.

    Sendo assim, a catarata congênita é considerada a principal causa de cegueira na infância.


    As causas mais frequentes são: anomalia de desenvolvimento, hereditária ou infecciosa. Entre as enfermidades responsáveis estão rubéola, toxoplasmose e sífilis materna. Em crianças a catarata pode ser unilateral ou bilateral.
 Pode ainda ocorrer como doença isolada ou associada a outras malformações oculares e sistêmicas.

    A opacificação do cristalino pode variar, indo desde tênue até suficientemente densa, para que a pupila torne-se branca..

  • Problemas com Catarata Congênita? Marque uma consulta

  • Tratamentos

    O tratamento da catarata congênita deve ser o mais precoce possível e a abordagem depende da localização e intensidade da opacificação, grau de deficiência visual, alterações oftalmológicas relacionadas e idade da criança.

    O tratamento de cataratas parciais pode ser realizado com colírios midriáticos, oclusão e óculos especiais para melhorar a acuidade visual.
 A indicação depende do comprometimento da acuidade visual e da avaliação das condições funcionais do olho.

    O tratamento cirúrgico da catarata congênita deve ser realizado entre 6 a 12 semanas de vida para se obter resultados bem-sucedidos. A cirurgia de catarata congênita pode ser feita por meio das técnicas de Facoemulsificação ou Lensectomia.

  •  

    O acompanhamento deve ser realizado com um oftalmopediatra pois podem surgir complicações no pós-operatório, como glaucoma, e opacidades secundárias ao trauma cirúrgico, que devem ser tratadas rapidamente. A cirurgia é apenas o primeiro passo, pois é necessário o uso de óculos ou lentes de contato.

    Existe ainda uma grande chance de ocorrer ambliopia e pode ser necessário o uso de tampão. A medida da pressão intraocular é essencial devido ao risco de Glaucoma e para isso temos um equipamento de última geração, o icare. Este aparelho dispensa o uso de colírios para a medida da pressão intraocular e é muito confortável para bebês e crianças pequenas.